News Noticias
recent

Homília do Santo Papa Bento XVI "Pentecostes"



Queridos irmãos e irmãs!

Cada vez que celebramos a Eucaristia, vivemos na fé, o mistério que tem lugar no altar, participam em outras palavras para o supremo ato de amor que Cristo fez com a sua morte e ressurreição. O um eo mesmo centro da liturgia e da vida cristã - o mistério pascal - toma então a várias solenidades e festas, "forma" requisito, com mais e com significados especiais dons de graça. De toda a solenidade, Pentecostes é distinguida, em importância, pois é o próprio Jesus percebeu que havia anunciado a ser o objectivo da sua missão na terra. Embora a saliva em Jerusalém, tinha declarado aos seus discípulos: "Eu vim para lançar fogo sobre a terra, e como seria muito mais que já tinham sido ligado" (Lucas 12:49). Estas palavras encontram a sua realização mais óbvia Cinqüenta dias depois da ressurreição, no Pentecostes, um antigo hebraico festa que a Igreja tornou-se de férias por excelência do Espírito Santo ", apareceu-lhes como línguas de fogo ... e eles estavam todos cheios do Espírito Santo" ( Atos 2,3-4). O verdadeiro incêndio, o Espírito Santo, foi trazido à terra por Cristo. Ele não tem rasgado aos deuses, como Prometeu foi, de acordo com o mito grego, mas tornou-se o mediador do "dom de Deus" para nós com a obtenção do maior ato de amor da história: a sua morte na cruz.

Deus quer dar esse "fogo" de cada geração humana, e, naturalmente, é livre para fazê-lo como e quando quer. Ele é espírito, e espírito "sopra onde vontades" (cf. Jo 3:8). Existe um "normal" que o próprio Deus tem escolhido para "lançar fogo sobre a terra": este caminho é Jesus, seu único Filho encarnado, crucificado e ressuscitado. Por sua vez, Jesus Cristo estabeleceu a igreja como o seu corpo místico, porque a missão prolonga na história. "Receber o Espírito Santo" - disse o Senhor aos Apóstolos na noite da ressurreição, que acompanha essas palavras com um gesto expressivo, "soprou" sobre eles (cf. Jo 20:22). Revelou que enviou-lhes seu Espírito, o Espírito do Pai e do Filho. Agora, queridos irmãos e irmãs em solenidade hoje Escritura diz-nos mais uma vez, como deveria ser a comunidade, pois temos de estar a receber o dom do Espírito Santo. Na história, descrevendo o acontecimento de Pentecostes, o santo autor lembra que os discípulos "estavam todos juntos em um lugar." Esse "lugar" é o Cenáculo, em cima da sala onde Jesus tinha com os seus Apóstolos, a Última Ceia, onde tinham aparecido ressuscitado, que se tinha tornado o quarto como se fosse a "casa" da igreja primitiva ( ver Atos 1:13). Os Atos dos Apóstolos, no entanto, em vez de insistir sobre o lugar físico, que pretendem salientar a atitude interior dos discípulos: "Todos estes foram perseverantes e acordar na oração" (Atos 1:14). Por isso, a harmonia dos discípulos, porque a condição é o Espírito Santo, e no pressuposto de concórdia é a oração.

Isto, queridos irmãos e irmãs, também se aplica à Igreja de hoje, que é para nós, que estamos aqui reunidos. Se quisermos que o Pentecostes não é reduzido a um mero ritual ou uma comemoração, enquanto sugestivo, mas o caso atual da salvação, temos de predisporci na expectativa religiosa do dom de Deus através da humilde e silenciosa a ouvir a sua Palavra. Porque renovações será Pentecostes em nosso tempo, talvez você precisa - sem diminuir a liberdade de Deus - que a Igreja não está "ansioso" para as actividades e os mais dedicados à oração. Ele ensina a Mãe da Igreja, Maria Santíssima, Esposa do Espírito Santo. Este Pentecostes ocorre precisamente no último dia do mês de maio, que normalmente celebra a festa da Visitação. Mesmo que foi uma espécie de pequeno "Pentecostes", que fez o fluxo de alegria e louvor o coração de Isabel e Maria, uma virgem e os outros estéril, ambos se tornaram mães para a intervenção extraordinária de Deus (cf. Lc 1,41-45) . A música e canto, que acompanha a nossa liturgia, também ajudam a acordar na oração, e por isto quero expressar minha profunda gratidão para com a Sé Coro e Orquestra de Câmara Colónia. Por esta liturgia, o bicentenário da morte de Joseph Haydn, foi escolhido muito apropriadamente Harmoniemesse ela, o último dos "Messe", composto pelo grande músico, um sublime sinfonia para a glória de Deus que todos devem ter percebido por esta ocasião Eu os meus mais cordiais saudações.

A fim de dar o Espírito Santo no Pentecostes história em Atos dos Apóstolos utilizando duas imagens: a imagem da tempestade e do fogo. Lucas tem claramente em mente o theophany do Sinai, nos livros disse em Êxodo (19,16-19) e Deuteronômio (4,10-12.36). No mundo antigo, a tempestade foi visto como um sinal do poder divino, antes que o homem sentia fraco e aterrorizado. Mas também gostaria de salientar um outro aspecto: a tempestade é descrita como "vento forte", e isto sugere que o ar, o que distingue o nosso planeta a partir do estrelas e nos permite viver com ela. Que o ar é para a vida biológica, é o Espírito Santo para a vida espiritual, e como não existe a poluição do ar que envenena o ambiente e os seres vivos, por isso existe uma poluição do coração e alma que ofendem venenos e espiritual existência. Da mesma forma que temos de nos habituar a não poluir o ar - e é esse o compromisso ambiental é hoje uma prioridade - como você deve fazer para que corrompe o espírito. Parece que muitos produtos poluentes da mente e do coração que circula na nossa sociedade - por exemplo as imagens espetaculares que o prazer, a violência eo desprezo pelo homem e mulher - neste caso, parece que estamos acostumados, sem dificuldade. Isto também é liberdade, é dizer, sem reconhecer que esta poluição envenenamento as mentes das gerações mais jovens em particular e, em seguida, acaba por influenciar a mesma liberdade. A metáfora do vento de Pentecostes recorda-nos o que é precioso e não respirar ar puro, com ambos os pulmões, o físico, tanto com o coração, o espiritual, o ar saudável do espírito, que é amor!

A outra imagem do Espírito Santo que encontramos em Atos dos Apóstolos é o fogo. Mencionei no início de uma comparação entre Jesus e da figura mitológica de Prometeu, que lembra uma característica do homem moderno. Impossessatosi energias do universo - o "fogo" - o ser humano parece afirmar-se como um deus e pretende transformar o mundo e, pondo de lado, ou mesmo rejeitando o Criador do universo. O homem já não quer ser a imagem de Deus, mas de si mesmo, declara-se independente, livre, adulto. É evidente que esta atitude revela uma relação com Deus é falso, uma conseqüência de uma falsa imagem de ele ter sido construído, como o filho pródigo da parábola evangélica que acredita-se para fugir da casa de seu pai. Nas mãos de um homem como este, o "incêndio" e as suas enormes potencialidades se tornar perigoso: eles podem rebote contra a vida ea própria humanidade, como a história demonstra, infelizmente. Um aviso permanecem perenes tragédias de Hiroshima e Nagasaki, onde é utilizada a energia atómica para fins de guerra, tem vindo a semear a morte em proporções indescritíveis.

Você pode encontrar a verdade, em muitos casos, menos graves, mas igualmente sintomático, a realidade de cada dia. Sagrada Escritura revela-nos que a energia pode mudar o mundo não é anónimo e cego vigor, mas é a ação do "espírito de Deus que pairavam sobre as águas" (Gen 1,2) no início da criação. E Jesus Cristo tem "trouxe sobre a terra" não é a força vital que já morou lá, mas o Espírito Santo, que é o amor de Deus, que "renova a face da terra" limpos do mal e libertando-os do domínio da morte (cf. Sl 103/104 ,29-30). Este "fogo" puro, essencial e pessoal, o fogo do amor, desceu sobre os apóstolos, reunidos em oração com Maria no Cenáculo, a fim de tornar a Igreja de renovar a extensão de Cristo.

Finalmente, um último pensamento é derivado da história ainda dos Atos dos Apóstolos: o Espírito Santo, supera o medo. Sabemos como os discípulos se refugiaram no Cenáculo após a detenção do seu Mestre, e ainda havia segregado por receio de sofrer o mesmo destino. Depois da ressurreição de Jesus que o medo não desapareceram subitamente. Mas aqui no Pentecostes, quando o Espírito Santo estabeleceu que sobre eles, os homens saíram sem medo e começou a anunciar a boa notícia de Cristo crucificado e ressuscitado. Não tinha medo, porque se sentia nas mãos dos mais fortes. Sim, queridos irmãos e irmãs, o Espírito de Deus, onde se entra, leva o medo, nos permite conhecer e sentir que estamos nas mãos de um Onipotência do Amor: aconteça o que acontecer, o seu infinito amor não nos abandonar. No entanto, o testemunho dos mártires, a coragem dos confessores da fé, o intrépido zelo dos missionários, a franqueza dos pregadores, a exemplo de todos os santos, alguns adolescentes e crianças. Isto demonstra a existência da Igreja, que, apesar das limitações e defeitos dos homens, continua a atravessar o oceano da história, impulsionado pelo sopro de Deus, e inspirado pelo seu fogo purificador. Com esta fé e esta esperança, alegre repetir hoje, através da intercessão de Maria: "Enviar diante do seu espírito, Senhor, para renovar a terra."
Domingo, 31 de maio de 2009.
Site vatican Pentecoste

Deus abençoe você!!!
Fundador Gleydson do Blog Verbo Pai
Verbo Pai

Verbo Pai

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.