News Noticias
recent

Como é Grande a Dignidade do Matrimônio Casto

Como é grande a dignidade do matrimônio casto, veneráveis ​​irmãos, pode ser julgada melhor a partir desta que Cristo Nosso Senhor, Filho do Pai Eterno, tendo assumido a natureza do homem caído, não só, com Seu desejo amoroso de compassivo a redenção do nosso raça, ordenou-lo de uma forma especial como o princípio e fundamento da sociedade nacional e, portanto, de toda relação humana, mas também elevou-a à categoria de um sacramento verdadeira e grande da Nova Lei, restituiu à pureza original do seu divino instituição e, consequentemente, confiou toda a sua disciplina e cuidado ao Seu esposo da Igreja.

Tendo em vista, porém, que entre os homens de todas as nações e todas as épocas os frutos desejados podem ser obtidos a partir desta renovação do matrimônio, é necessário, em primeiro lugar, que as mentes dos homens ser iluminada com a verdadeira doutrina de Cristo sobre ele; e em segundo lugar, que os esposos cristãos, a fraqueza de suas vontades fortalecida pela graça de Deus interno, moldar todos os seus modos de pensar e de agir em conformidade com a lei pura de Cristo, a fim de obter a verdadeira paz e felicidade para si e para a sua famílias.

No entanto, embora o matrimônio é de sua natureza de instituição divina, a vontade humana, também, entrar em-lo e executa uma parte mais nobre. Para cada casamento indivíduo, na medida em que é uma união conjugal de um homem e uma mulher em particular, só surge a partir do livre consentimento de cada um dos cônjuges; e este ato livre da vontade, pela qual cada parte cede o e aceita esses direitos adequados para o estado de casamento, é tão necessário para constituir verdadeiro casamento que não podem ser fornecidos por nenhum poder humano. Esta liberdade , no entanto, diz respeito somente a questão de saber se as partes contratantes realmente desejo para entrar em matrimônio ou se casar com essa pessoa em particular; mas a natureza do matrimônio é totalmente independente do livre arbítrio do homem, para que se tenha um matrimônio contraído uma vez que ele é assim sujeito a suas leis divinas e as suas propriedades essenciais. Para o Doutor Angélico, escrevendo em honra conjugal e na prole que é o fruto do casamento, diz: "Essas coisas são tão contido em matrimônio pelo próprio pacto casamento que, se qualquer disposição em contrário foram expressas na autorização que torna o casamento, não seria um verdadeiro casamento. "

Por matrimônio, portanto, as almas das partes contratantes são unidos, e ligado mais diretamente e mais intimamente do que são seus corpos, e que não por qualquer afeição passando de senso de espírito, mas por um ato deliberado e firme da vontade ; e desta união de almas por decreto de Deus, um laço sagrado e inviolável surge. Daí a natureza deste contrato, que é próprio e peculiar a ele sozinho, faz com que seja totalmente diferente, tanto a partir da união de animais assumidos pelo instinto cego da natureza sozinho no qual nem a razão nem livre arbítrio desempenha uma parte, e também do uniões casuais dos homens, que estão muito distantes de todos os sindicatos verdadeiras e honestas de vontade e apreciar nenhum dos direitos da vida familiar.

A partir disso é claro que a autoridade legitimamente constituída tem o direito e, portanto, o dever de restringir, para prevenir e punir os sindicatos de base que se opõem à razão e à natureza; mas uma vez que é uma questão que decorre da própria natureza humana, não menos certo é o ensino de nosso predecessor Leão XIII, de feliz memória: "Na escolha de um estado de vida não há nenhuma dúvida de que ele está no poder e critério de cada um a preferir uma ou outra: ou a abraçar o conselho de virgindade dado por Jesus Cristo, ou para vincular-se nos laços do matrimônio Para tirar o homem o direito natural e primitivo do casamento, para circunscrever in. qualquer forma, as principais finalidades do matrimônio estabelecidas no início pelo próprio Deus nas palavras "Frutificai e multiplicai," está além do poder de qualquer lei humana ".

Por conseguinte, a parceria sagrado do verdadeiro casamento é constituída tanto pela vontade de Deus e a vontade do homem. De Deus vem a própria instituição do casamento, os fins para os quais foram instituídos, as leis que o regem, as bênçãos que dela decorrem; enquanto o homem, através da entrega generosa de sua própria pessoa feita para outro para todo o período de vida, torna-se, com a ajuda e a cooperação de Deus, o autor de cada casamento particular, com os deveres e bênçãos ele anexos de instituição divina.

Fonte da Encíclica do Papa Pio XI - CASTI Connubii.

"Deus vos abençoe!!!"
Fundador Gleydson do Blog Verbo Pai

Verbo Pai

Verbo Pai

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.